GLOSSÁRIO ESPÍRITA



AGÊNERE - Modalidade de aparição tangível; estado de certos espíritos, quando temporariamente se revestem das formas de uma pessoa encarnada, ao ponto de produzirem uma ilusão completa.

ANIMISMO - Fatalidade que pode ocorrer a um médium no decorrer de práticas mediúnicas, em que sua própria individualidade pode se fazer presente durante as experiências de mediunidade, deturpando, assim, o teor das informações recebidas dos espíritos. Vale em qualquer das práticas mediúnicas e pode acontecer inusitadamente, sem nenhuma intenção por parte do médium.

ANJO DA GUARDA - Espírito que se incumbe da tarefa de amparar um outro espírito na etapa encarnatória - todas as pessoas possuem um. Geralmente, são designados os espíritos afins e simpáticos para estabelecerem tal relação. Um guia espiritual é, via de regra, um espírito mais evoluído que o seu protegido. Não raro, se vêem mães guiando filhos ou maridos guiando esposas, e assim por diante. Um guia acompanha o seu protegido oferecendo apoio num momento de sofrimento, esclarecimento numa hora de dúvida, ajuda num instante de perigo, etc. As pessoas, mesmo sem perceber, estão submetidas à influência benévola desse guia constantemente e, ao mínimo pensamento feito a ele, o bondoso espírito se faz presente e exerce sua tarefa caridosa e despretensiosa. Um guia está profundamente ligado a seu protegido por motivos de afinidade espiritual e sempre executa sua missão com um sentimento espontâneo de ajuda, porquanto essa ajuda também significa o seu próprio desenvolvimento e evolução. Essa terminologia de "anjo da guarda", utilizada seriamente por outras religiões, pode ser tomada "emprestada" pelo Espiritismo, pois se enquadra perfeitamente para esse espírito missionário: consiste no amigo constante e amoroso que Deus proporciona a todos os encarnados na difícil etapa carnal - é comumente também chamado de "protetor espiritual" ou de "mentor espiritual".

AURA - A aura é uma irradiação que cobre todo o corpo físico e, através dela, são evidenciadas as emanações da parte física, mental e emocional. É o "espelho" que mostra toda nossa situação espiritual. Quando uma pessoa está tomada de raiva, por exemplo, sua aura mostra emanações curtas e avermelhadas. Quando alguém é tomado pelo ciúme, a aura adquire uma coloração roxa. Todavia,quando nossos sentimentos são puros e desprovidos de qualquer paixão carnal, a aura toma uma coloração azulada e se torna ampla, com grande faixa de irradiação. Hoje, não há mais dúvida alguma quanto à existência da aura, podendo-se, ainda, através da mesma, facilmente vericar-se o estado de uma pessoa, através das fotografias obtidas por intermédio das máquinas Kirlian.

BATEDOR - Característica de alguns espíritos, daqueles que revelam sua presença num lugar por meio de pancadas e ruídos de naturezas diversas.

CHACRAS - Centros energéticos do corpo humano, também chamados de vórtices. Localizados em pontos específicos, captam energias de todas as espécies. Sua limpeza periódica, por meio de passes magnéticos, faz-se muito importante, tanto do ponto de vista da saúde física como da espiritual. São como discos, que giram incessantemente, da direita para a esquerda. O tamanho desses "discos" varia de acordo com a evolução espiritual de cada um: vão desde o tamanho de uma moeda até cerca de 15 centímetros. Estão localizados sobre os plexos ou centros nervosos.

CLARIVIDÊNCIA - Faculdade mediúnica que consiste na visão de espíritos.

CLARIAUDIÊNCIA - Faculdade mediúnica de se ouvir espíritos.

CORDÃO DE PRATA - Como o próprio nome sugere, trata-se de uma espécie de "cordão" que liga o perispírito ao corpo físico. É imprescindível à vida carnal, pois assegura a perfeita realização das funções biológicas vitais durante o período do sono natural, quando então o espírito se desprende do corpo físico para interagir no mundo espiritual, embora sempre seu corpo e seu perispírito estejam sempre ligados através do chamado cordão de prata. O cordão de prata é pré-requisito essencial para a vida orgânica, posto que no momento da morte física ele se rompe. Em alguns meios "espiritualistas" com pouco estudo, há uma discussão sobre os "perigos de rompimento" de tal cordão espontaneamente, durante o conhecido fenômeno das projeções para fora do corpo, como se algo no Universo pudesse acontecer "espontaneamente", ou seja, sem o consentimento e o conhecimento de Deus. Esse temor não tem lógica, nem sentido algum, a não ser que seja "a hora exata" de o indivíduo desencarnar. O cordão de prata não é feito de material suscetível a atritos ou a acontecimentos que possam vir a "rompê-lo" - esse tipo de pensamento não apenas contraria diametralmente a lógica, mas sobretudo vai inteiramente contra os ensinamentos estabelecidos pela Codificação Kardequiana.

ECTOPLASMA - Elemento utilizado por espíritos para manifestações físicas.

ERRATICIDADE - Estado dos espíritos errantes, isto é, não encarnados (durante o intervalo de suas existências corpóreas).

ESPÍRITA - O que tem relação com o Espiritismo; adepto do Espiritismo, e que estuda segue a Doutrina Espírita; aquele que crê nas manifestações dos espíritos.

ESPIRITISMO - Doutrina codificada por Allan Kardec, fundada sobre a crença da existência dos expíritos, em suas manifestações, bem como na reencarnação.

ESPIRITISTA - Essa palavra, inicialmente empregada para designar os adeptos do Espiritismo, não foi consagrada pelo uso; prevaleceu o termo "Espírita".

ESPÍRITO - No sentido especial da Doutrina Espírita, os espíritos são os seres inteligentes da Criação, que povoam o Universo, dentro ou fora do mundo material e, quando no plano espiritual, constituem o "mundo invisível" para o nosso estado atual de evolução. Não são seres oriundos de uma criação especial, mas, sim, as almas dos que vivem ou viveram na Terra, ou em outras esferas. O espírito é a inteligência individual criada por Deus; é criado imperfeito e ignorante por Deus para que, sozinho e pelos próprios méritos, alcance a evolução. Em outras palavras, ele é criado imperfeito, porém perfectível, e alcançará necessariamente a perfeição.

ESPIRITUALISMO - Usa-se em sentido oposto ao do materialismo; crença na existência da alma espiritual e imaterial. Pode-se considerar o espiritualismo como sendo a base de todas as religiões.

ESPIRITUALISTA - O que se refere ao espiritualismo; adepto do espiritualismo. É espiritualista aquele que acredita que em nós nem tudo é matéria, o que de modo algum implica a crença nas manifestações dos Espíritos. Todo espírita é necessariamente espiritualista; mas pode-se ser espiritualista sem ser espírita. O materialista não é uma nem outra coisa.

EXPIAÇÃO - É a pena que o espírito sofre em decorrência de suas faltas cometidas durante a vida corpórea. No estado errante, a pena é moral; no estado corporal, é também física. Todos os sofrimentos provados pelo espírito são, ao mesmo tempo, expiações de erros passados e provas parra a evolução futura.

FELICIDADE - A vitória sobre as dificuldades é a grande descoberta do homem a respeito de si mesmo. A felicidade não foi prometida ao homem como dádiva. Ela é, essencialmente, uma conquista. Mas, para se chegar a ela, é necessário lutar, transpor muitos obstáculos, ser obstinado, ter paciência. Esperar. A felicidade é como uma obra de artesanato: fio por fio, fibra por fibra. Ela não nasce feita, ela se faz, minuto a minuto, na prática do Bem, na paz da consciência. Mas, quando ela chega, é para ficar, é sua, definitivamente sua.

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL - Elemento primário na formação de toda a matéria; é dele que são derivados todos os elementos conhecidos.

FORMAS-PENSAMENTO - Considerando que toda e qualquer ação e todo e qualquer pensamento fica registrado na memória vital do espírito e no éter-cósmico, pode-se caracterizar as formas-pensamento como concretizações de pensamentos. Por exemplo, se um homem, num ambiente de trabalho, sente inveja de um colega pelo fato de este se mostrar mais competente, mais esforçado e, portanto, mais solicitado e admirado, a inveja do primeiro "cria" no éter-cósmico uma forma-pensamento própria do sentimento. Essa forma-pensamento pode possuir forma física, como a de uma faca, de um homem morto, ou pode possuir forma indefinida, caracterizando apenas o sentimento pelo qual ela foi gerada. A forma-pensamento pode se depositar no éter-cósmico ou pode "colar-se" ao indivíduo invejado, no caso do exemplo em questão, causando-lhe prejuízos psíquicos e até físicos. Está aí a explicação científica do famoso "mau-olhado", agouro direcionado a uma pessoa que, efetivamente, na maioria dos casos, logra prejuízos. Porém, as formas-pensamento não se resumem apenas a sentimentos baixos. Elas podem se originar de sentimentos nobres, como o amor ou a benevolência. Por exemplo, uma mãe, amando profundamente seus filhos, ao assistir ao progresso dos mesmos, se enche de alegria e envia formas-pensamento benéficas a eles, que podem se caracterizar por imagens alegres como um coração, um rosto sorrindo, ou por formas indefinidas mas de cores vivazes e alegres. Também fatos e acontecimentos podem gerar formas-pensamento, como no caso de uma guerra em que muito sangue foi derramado e muitos espíritos sofreram atrozmente e pereceram. Tudo isso pode ocasionar uma grande mancha escura na região onde a guerra se sucedeu, com grande aglomerado de formas-pensamento negativas, gerando, não raro, perturbações de ordem psíquica nos próprios moradores da região, em função da grande quantidade de energias deletérias. Além disso, um determinado homem, através de seus incessantes clamores de inveja, pode, por exemplo, lançar formas-pensamento de um lugar para qualquer outro. Por invejar a casa de um amigo, por exemplo, um indivíduo manda, inconscientemente, formas-pensamento negativas para lá, e as mesmas ficam ali depositadas, gerando diversos males, de acordo com a intensidade do pensamento do emissor. Por isso, é sempre bom pedir em nossas orações ajuda àqueles que, mesmo sem querer, exercem esse maligno prejuízo aos outros, e pedir também que nossa casa, assim como nós mesmos, possamos ser limpos pelos espíritos amigos de quaisquer formas-pensamento negativas que possam ter-se depositado em nossa casa ou em nós. É importante acrescentar que somente os espíritos já evoluídos é que conseguem dar a forma e comandar com plenos poderes suas formas-pensamento; os demais espíritos as produzem inconscientemente.

HÁBITO - O hábito é uma esteira de reflexos mentais acumulados, operando costante indução à rotina. Herdeiros de milênios, gastos na recapitulação de muitas experiências análogas entre si, vivemos, até agora, quase que à maneira de embarcações ao gosto da correnteza, o rio de hábitos aos quais nos ajustamos sem resistência. Com naturais exceções, todos adquirimos o costume de consumir os pensametos alheios pela reflexão automática, e, em razão disso, exageramos as nossas necessidades, apartando-nos da simplicidade com que nos seria fácil erguer uma vida melhor, e formamos em torno delas todo um sistema defensivo à base de crueldade, com o qual ferimos o próximo, dilacerando conseqüentemente a nós mesmos. Estruturamos, assim, complicado mecanismo de cautela e desconfiança, para além da justa preservação, retendo, apaixonadamente, o instinto da posse, e, com o instinto da posse, criamos os reflexos do egoísmo e do orgulho, da vaidade e do medo, com que tentamos inutilmente fugir às Leis Divinas, caminhando, na maioria das circunstâncias, como operários distraídos e infiéis que desertassem da máquina preciosa em que devem servir gloriosamente, para cair, sufocados ou inquietos, nas engrenagens que lhes são próprias. Nesse círculo vicioso, vive a criatura humana, de modo geral, sob o domínio da ignorância acalentada, procurando enganar-se depois do berço, para desenganar-se depois do túmulo, aprisionada no binômio ilusão-desilusão, com que despende longos séculos, começando e recomeçando a senda em que lhe cabe avançar. Não será lícito, porém, de modo algum, desprezar a rotina construtiva. É por ela que o ser levanta no seio do espaço e do tempo, conquistanto os recursos que lhe enobrecem a vida. A evolução, contudo, impõe a instituição de novos costumes, a fim de que nos desvencilhemos das fórmulas inferiores, em marcha para ciclos mais altos da existência. É por esse motivo que vemos no Cristo - divino marco da renovação humana - todo um programa de transformações viscerais do espírito. Sem violência de qualquer natureza, altera os padrões da moda moral em que a Terra vivia há numerosos milênios. Contra o uso da condenação metódica, oferece a prática do perdão. À tradição de raça opõe o fundamento da fraternidade legítima. No abandono à tristeza e ao desânimo, nas horas difíceis, traz a noção das bem aventuranças eternas para os aflitos que sabem esperar e para os justos que sabem sofrer. Toda a passagem do Senhor entre os homens, desde a Manjedoura, que estabelece o hábito da simplicidade, até a Cruz afrontosa que cria o hábito da serenidade e da paciência, com a certeza da ressurreição para a vida eterna, o apostolado de Jesus é resplendente conjunto de reflexos do caminho celestial para a redenção do caminho humano. Até agora, no mundo, a nossa justiça cheira a vingança, e o nosso amor sobe a egoísmo, pelo reflexo condicionado de nossas atitudes irrefletidas nos milênios que nos precedem o "hoje". Não podemos desconhecer, todavia, que somente adotando a bondade e o entendimento, com a obrigação de educar-nos e com o dever de servir, como hábitos automáticos nos alicerces de cada dia, colaborando para a segurança e felicidade de todos, ainda mesmo à custa de nosso sacrifício, é que refletiremos em nós a verdadeira felicidade, por estarmos nutrindo o verdadeiro bem.

LEI DE AÇÃO E REAÇÃO OU LEI DO CARMA - Tudo de bom ou ruim que você fizer hoje, algo de força equivalente amanhã irá lhe beneficiar ou prejudicar, seja nesta ou em outra vida. "A cada um será dado de acordo com suas obras." Não existe escapatória ou subterfúgios perante as Leis de Deus. Existe, sim, uma possível abreviação do carma. Através da prática do bem e da caridade, um espírito pode alterar ou diminuir sua dívida cármica.

LIVRE ARBÍTRIO - Liberdade moral do homem. É a lei que determina que cada um tem o direito de agir de acordo com a sua vontade. Via de regra, é em função dessa liberdade que o espírito pode determinar, por exemplo, a forma e a condição que irá tomar numa determinada encarnação. Há apenas uma exceção: a condição de quando o homem fica privado de suas faculdades mentais.

MATERIALIZAÇÃO - Propriedade do perispírito de se tornar visível e tangível.

MEDIANÍMICO - Qualidade da força do médium; faculdade medianímica.

MEDIANIMIDADE - Faculdade dos médiuns. Sinônimo de mediunidade. Essas duas palavras são, com freqüência, empregadas indiferentemente. A se querer fazer uma distinção, poder-se-á dizer que mediunidade tem um sentido mais geral; e medianimidade, um sentido mais restrito. Por exemplo: "Ele possui as características da mediunidade: a medianimidade mecânica".

MENTORES ESPIRITUAIS - Muitos pensam que seu anjo da guarda ou Espírito Protetor seja um ser elevadíssimo, um Espírito Superior - isso é uma presunção. Seria o mesmo que pretendermos que o Ministro da Justiça viesse resolver a nossa questiúncula com nosso vizinho. Para isso, existe uma autoridade específica. Que temos diversos Espíritos que se interessam pela nossa proteção e desenvolvimento, não resta dúvida, mas que os mesmos sejam de ordem superior é pura vaidade de nossa parte; contudo, são de fato melhores do que nós, pois não se justificaria que um inferior protegesse um superior. Assim sendo, todos nós temos os nossos guardiães, segundo as nossas condições evolutivas. Entretanto, é necessário lembrar que há uma hierarquia em todos os planos, tendo em vista que quando o problema escapa à competência do mentor, ele solicita do seu superior a necessária intervenção. Outro aspecto a ser considerado é o da efetiva e ininterrupta assistência do guardião ao seu pupilo, como fosse um escravo a nosso serviço. Quando os Espíritos disseram que o anjo guardião se liga ao seu protegido, não significa uma constante assistência, mas sim um compromisso para com aquela criatura, ajudando-a sempre que necessário, seja pela evocação feita pelo tutelado ou pelos vigilantes deste, que são os Espíritos failiares ou afins. Caso contrário, o protetor não disporia de tempo para os estudos (o Espírito evolui eternamente) ou para outras tarefas, bem como para o lazer. Lembremo-nos também que temos a companhiaque estivermos invocando pelas nossas condições mentais, as quais variam segundo as nossas atitudes: se estivermos voltados para os anseios carnais ou violentos, não poderemos ser ajudados pelos nossos benfeitores, porque, ao afinar com entidades inferiores, automaticamente estaremos repelindo, sintonicamente, aqueles que nos querem ajudar.

MUNDO ESPIRITUAL - Nós estamos todo o tempo rodeados de espíritos, os quais estão sempre próximos a nós. Porém nossos olhos não os vêem, porque são formados por um corpo perispiritual que é muito menos denso ao nosso corpo físico. O mesmo também ocorre no mundo espiritual, que pode ser considerado uma outra dimensão que coexiste com a nossa. Ao redor da Terra, existem várias regiões, colônias, regiões expiativas - tudo correspondendo à vida espiritual terrestre. Cada planeta possui suas regiões e colônias que estão de acordo com o grau de evolução geral do mesmo. Há as colônias de tratamento pós-desencarnatório, as de estudo, as de passagem. Há também as regiões chamadas de umbralinas, regiões punitivas, em que o espírito sofre, durante a sua passagem pela vida espiritual, as conseqüências de seus erros e faltas cometidas quando em sua estada carnal. Como já foi dito, portanto, os espíritos nos rodeiam e, assim, nos influenciam a todo momento, muito mais do que podemos imaginar, podendo ser para o bem ou para o mal, dependendo da nossa sintonia mental e da natureza dos espíritos que assim atraimos. E é desse tipo de influência que muitas vezes se instalam as obsessões.

PASSE MAGNÉTICO - Prática em que o médium catalisa energias benfazejas de um espírito que lhe usa como canal para agir sobre os chacras, o perispírito e a aura do indivíduo que está recebendo o passe, limpando, retirando as impurezas, cristalinizando-o e revigorando-o.

PERISPÍRITO - Envoltório semimaterial do espírito. Nos encarnados, é o intermediário entre o espírito e matéria; nos desencarnados, constitui o corpo fluídico do espírito.

PNEUMATOFONIA - Voz dos espíritos; comunicação oral dos espíritos, sem o concurso da voz humana.

PNEUMATOGRAFIA - Escrita direta dos espíritos, sem o auxílio da mão do médium.

PRECE - Necessidade fundamental de todo ser humano. É pela prece que encontramos um canal direto com as forças elevadas. É sempre preferível que que a prece venha do íntimo, que contenha emoção e fé, que contenha palavras intuitivas, ao invés daquelas maquinalmente recitadas e desprovidas de qualquer emoção. As orações que pedem a Deus que perdoe faltas cometidas não apagam os erros de forma alguma: somente a prática do bem pode aliviar o débito de quem haja incorrido em erro. Por isso, os espíritos afirmam que a melhor prece são as boas ações. As preces que pedem ajuda aos desencarnados mais evoluídos são de extrema utilidade, e cada vez que uma pessoa se propõe a pedir ajuda através de uma oração, os bons espíritos sempre atendem ao chamado e assim o necessitado é sempre ajudado.

PSICOFONIA - Comunicação dos espíritos pela voz de um médium falante.

PSICOPICTOGRAFIA - Faculdade mediúnica de se fazer pinturas ou desenhos, mediante a utilização das mãos do médium psicopictógrafo.

PSICOGRAFIA - Escrita dos espíritos através da utilização da mão de um médium.

PSICÓGRAFO - Aquele que faz a psicografia; médium escrevente.

REENCARNAÇÃO - É a Lei que proporciona ao espírito a sua própria evolução, e todo espírito está subordinado a essa Lei. Todos os espíritos são criados iguais: são centelhas divinas. Contudo, para alcançar a evolução, é necessário que o espírito o faça por merecer. Nenhum espírito é criado com méritos, faculdades ou qualidades pré-concebidas - ele é criado imperfeito e ignorante. A evolução se processa através da reencarnação, que consiste na sucessão das vidas materiais, de tal forma que o espírito nasce, tem a sua vida carnal, evolui (ou não), desencarna, retorna ao plano espiritual, de onde veio - aqui, é importante ressaltar que a verdadeira vida é a espiritual, e que a experiência carnal é apenas um "exílio" para o espírito -, tem o seu tempo no mundo astral, reencarna em outro corpo e em outra condição, desencarna novamente, e, assim, trilha a sua caminhada rumo à evolução, que é o destino invariável de todo e qualquer espírito. Tomemos o exemplo de um assassino cruel que vemos hoje: amanhã, ele também será um espírito que terá alcançado a evolução. Essa noção, por si só, já nos esclarece numerosas questões a respeito da vida e de suas aparentes injustiças. Vejamos: por que uns nascem em berço glorioso, com tudo aquilo de que necessitam, saúde, condições favoráveis, amor, enquanto outros nascem na condição da mais pura miséria, com toda sorte de problemas? Estaria Deus sendo injusto, privilegiando alguns de seus filhos? Não, Deus não poderia ser injusto, posto que Ele é justo e bom. Pois é a Lei da Reencarnação que explica todas essas diferenças entre as condições dos espíritos encarnados. Aqueles que hoje se encontram em feliz situação são "pré-merecedores" de tudo aquilo que lhe foi dado, assim como aqueles que sofrem e amargam cruéis situações extão expiando algum erro do passado ou passando por alguma prova.

RELACIONAMENTO ENCARNADOS/DESENCARNADOS - Pelo que nos informam os Espíritos, o relacionamento entre encarnados e desencarnados durante o sono é maior do que imaginamos. Como retemos na memória pouquíssima coisa daquilo que ouvimos ou presenciamos pelo sonho, deixamos de avaliar a extensão dos acontecimentos e das informações que recebemos e transmitimos. André Luiz nos fala da alegria e tristeza que sentimos ao acordar, devido a esses encontros durante o sono, ocasiões em que prometemos cumprir determinados compromissos, seguir certas diretrizes ou executar determinadas tarefas. Realmente, coisas grandiosas ou desastrosas acontecem como resultantes desses encontros periódicos, nos desdobramentos inconscientes, denominados sonhos. Kardec, por sua vez, nos assevera que influenciamos e somos influenciados muito mais do que supomos. Nesses encontros entre os encarnados e desencarnados, seja aqui mesmo na crosta ou nos planos espirituais, tudo pode acontecer, seja com amigos ou inimigos.

SIMPATIA E ANTIPATIA ESPIRITUAL - É a característica ou peercepção que um ou mais espíritos podem nutrir uns pelos outros. Quando há simpatia, dizemos que são espíritos simpáticos: essa simpatia se caracteriza por uma concordância ou sintonia vibracional, isto é, a situação em que dois ou mais espíritos vibram na mesma sintonia magnética, podendo ser ela animalizada ou elevada; geralmente, quando dois espíritos são simpáticos, eles se encontram em suas encarnações nas mais diversas situações. Por outro lado, a antipatia espiritual é o sentimento que dois ou mais espíritos nutrem uns pelos outros: sentimentos e vibrações não coincidentes. Essa antipatia, que geralmente acontece enre dois inimigos, via de regra se prolonga de reencarnação em reencarnação. Contudo, Deus, na sua infinita bondade, fará com que tais espíritos se encontrem muitas vezes, até que o sentimento de antipatia se transforme em simpatia. É muito comum acontecer de, por exemplo, dois inimigos numa vida serem postos na condição de pai e filho numa outra, a fim de, nessa convivência familiar, poderem elevar os sentimentos que possuem um pelo outro. E é por isso que, muitas vezes, entre pai e filho, vemos discordâncias graves e até mesmo o ódio - mas esse tipo de união pode ocorrer de diversas maneiras, como mãe e filho, marido e mulher, irmão e irmão, etc.

SONHO - Fenômeno inerente a todo espírito encarnado, independentemente de sua patente espiritual. Durante o sono natural, o espírito se liberta do corpo físico e, portanto, retomando suas percepções espirituais, trava contato com outros espíritos e interage no mundo espiritual. O sonho se caracteriza por dois tipos específicos e distintos: o decorrente de lembranças, angústias, alegrias e emoções da memória do encarnado, geradas no inconsciente e mais propriamente no subconsciente do encarnado; e os decorrentes das lembranças do contato do espírito com o mundo espiritual durante o sono. No caso dos pesadelos ou sonhos ruins e angustiosos, deve-se presumir que, em se tratando do primeiro tipo, caracteriza uma perturbação qualquer de caráter emocional; e, em se tratando do segundo, decorre de lembranças não agradáveis no transcorrer da breve passagem do espírito pelo mundo espiritual, decorrentes, muito freqüentemente, do contato do espírito com entidades atormentadas e infelizes que povoam as regiões punitivas do chamado astral inferior. Na verdade, nós sonhamos todos os dias, mas muitas vezes não nos recordamos, seja por esquecimento benéfico para o próprio encarnado no que toca à sua própria integridade psicológica -- e que é propositalmente apagado da memória no estado de vigília --, seja por mera deficiência das capacidades físicas que temporariamente encrudescem a memória vital do espírito. A propósito, a memória vital de um espírito nunca se apaga e nunca demonstra deficiências, posto que é perene e inalterável. O que se sucede é que o corpo físico, cópia exata do perispírito, noticia as deficiências naturais da matéria e, assim, é passível de esquecimentos temporários, que o espírito retoma na forma livre do pensamento no mundo espiritual, dependendo da sua evolução como espírito.

TERCEIRA REVELAÇÃO - O advento da Doutrina Espírita no mundo é considerado como a Terceira Revelação perante todas as práticas religiosas em vigor no planeta Terra. A Primeira Revelação caracterizou-se pelo encarne de Moisés, espírito de grande luz, que, com seus postulados, sua vida e seus "Dez Mandamentos" ou "Decálogo". É importante notar que o Deus de Moisés ainda se caracterizava como um Deus autoritário, punitivo e, portanto, digno de medo. Porém, não poderia ser de outra forma, em vista da condição evolutiva em que se encontrava nosso planeta e os espíritos nele encarnados. A vida de Moisés é o primeiro exemplo de retidão moral, e seu "Decálogo" é considerado como a primeira manifestação divina de conduta moral enviada ao nosso orbe. A Segunda Revelação, por sua vez, não poderia ser outra senão o encarne do excelso espírito de Jesus Cristo. Seus ensinamentos, de moral insofismável, podem ser considerados como a mais sublime manifestação da teoria divina já pregados no planeta. Jesus foi e sempre será o grande mestre e protetor do nosso planeta e, conseqüentemente, dos espíritos aqui encarnados ou não. A Terceira Revelação foi o advento do Espiritismo no planeta Terra, codificado por Allan Kardec. Ele, com sua moral inatacável e seu instinto científico, conseguiu, no decorrer da vida, organizar os tópicos da Doutrina, lançando nova luz, novas explicações e novos conceitos a respeito de todas questões que sempre inquietaram a Humanidade.

VAMPIRISMO - Obsessores semelhantes aos ovóides, mas em um nível menos extremo. O espírito obsessor-vampirizador, ao definir seu perseguido -- por questões cármicas ou por simples prazer em exercer o mal --, põe-se a sugar-lhe as forças. O vampirismo se faz ainda mais presente no caso em que o indivíduo é fumante, alcoólatra, come em demasia, é usuário de drogas, etc. O espírito-vampiro segue-lhe os passos, "alimentando-se" das emanações, sejam do fumo, da bebida, etc., ou até mesmo do próprio fluido vital. Há vários graus de subjugação em uma relação vampirizante. Há vampiros que drenam apenas emanações de fumo, bebida, etc., mas há aqueles que têm a capacidade de vampirizar a um tal ponto que o obsidiado vê se minguarem-lhe as forças, emagrecendo, adoecendo e não raro -- se não é efetuado um trabalho de desobsessão -- o indivíduo pode acabar por morrer. O nome "vampiro" foi dado apenas pelo ato de o espírito sugar as forças do outro e, não pela forma de seu perispírito, que não apresenta semelhança com a figura conhecida do vampiro terrestre. No entanto, um obsessor, dado o seu rebaixamento moral, adquire muitas vezes formas grotescas de monstros e demônios, sempre de acordo com seu baixo nível moral.

VOLIÇÃO - Capacidade que um espírito tem, sob certas condições e certo adiantamento moral, de poder transportar-se elevando-se do solo numa espécie de vôo; daí o nome volitação e/ou volição. O espírito goza então de extrema liberdade, podendo transportar-se no mundo espiritual ao seu bel prazer. Porém, os que gozam dessa faculdade são aqueles espíritos já desapegados ou parcialmente desinteressados dos vínculos com a matéria e seus ilusórios prazeres. Os relatos vinculados à volitação causam-nos extremo interesse e excitamento, por se tratar, obviamente, de uma especialidade do espírito bastante prazerosa e, portanto, ambicionada. Contudo, é importante lembrar mais uma vez que essa capacidade só se apresenta em espíritos desapegados da matéria, com um certo grau de adiantamento moral. Em função disso, espíritos ainda subjugados à matéria relacionam-se no mundo espiritual da mesma forma quando encarnados, ou seja, se desejarem se transpor de um lugar para outro, terão que o fazer por seus próprios meios, tal como se estivessem no mundo físico.

VOLITAÇÃO - Capacidade que o espírito tem, em certo nível de adiantamento, de "voar", não apenas no sentido literal, mas também de maneira mais transcendental. O espírito se transporta para onde quiser ou lhe for determinado, sob a ação e o impulso de sua própria inteligência. Ele viaja na velocidade de seu próprio pensamento, seguindo leis cósmicas da fisiologia do espírito e de suas interações com o meio espiritual e com o éter-cósmico.


Retornar à Página Inicial