A R T I G O S




XVIII- CONSULTÓRIO INADEQUADO

Às vezes perguntam-me: "Posso localizar um parente desaparecido, perguntar sobre uma cirurgia, perguntar sobre fortunas e até mesmo saber onde está uma pessoa seqüestrada?" Perguntam-me, com a intenção de dirigir o questionamento aos espíritos. Querem saber se os espíritos respondem sobre documentos perdidos, se dão palpites sobre casamentos, e pasmem! , se já sabem o resultado de jogos e loterias, se não poderiam dar palpites nesta área e até se não podem comparecer para assinar documentos que deveriam ter assinado antes da partida...

Bom, tais perguntas denotam bem o completo desconhecimento sobre o que, quem são os espíritos, onde estão, o que fazem, como vivem.

Um dia desses, vivi a situação de saber que uma família que tem um filho desaparecido, procurar um Centro Espírita e receber a informação de que ele já se encontra desencarnado, ou na linguagem popular, que já morreu.

Em princípio, qualquer pergunta pode ser dirigida aos espíritos. O cuidado que se deve ter é quanto à qualidade da resposta.

Os espíritos, pelo fato de serem espíritos, não sabem tudo e nem tem o poder de penetrar em todos os lugares para localizar pessoas ou documentos. Estão limitados pela sua própria situação evolutiva e aqueles que podem, nem sempre o dizem. Por muitas razões. Uma delas, no caso de espíritos esclarecidos, é o de não se intrometerem em assuntos que cabe ao homem resolver. No caso de espíritos menos esclarecidos, nem sempre tem a permissão de dizer tudo o que sabem... Estão todos sujeitos a disciplinas e obstáculos inerentes à condição em que se encontram e nem sempre tem toda liberdade para o "irem e virem" o quanto querem.

Quanto à informação dada por qualquer Centro Espírita, qual a garantia de veracidade? Como saberemos se é verdade ou mentira? Como confiar na informação?

Em primeiro lugar, toda previsão de data ou acontecimento, indicação certa de lugar ou citação fantástica, toda revelação que fuja do bom senso e surge como informação pronta, deve ser rejeitada. E Centro Espírita não é consultório para atender pedidos da espécie. Deve-se desconfiar de toda informação com este caráter de revelação atendendo curiosidades. Quando algo deve ser revelado, surge espontâneo. E sempre através de circunstâncias inesperadas e de preferência por meio de pessoas desconhecidas.

Centro Espírita não é lugar para consultas. Enfermos devem procurar médicos, embora o Centro possa oferecer atendimento de assistência espiritual. Procura de documentos e pessoas desaparecidas é providência para detetives ou policiais, mas nunca para espíritos. Centro Espírita existe para ensinar Espiritismo e atender as criaturas que querem estudar, que buscam respostas às questões fundamentais da vida humana. E procura de tesouros enterrados, palpites para loterias ou especulações sobre casamentos, nem sei o que dizer, mas estão distantes das ocupações dos espíritos. Estes trabalham para o bem e progresso da humanidade. A informação confiável somente virá por intermédio de médiuns honestos e para consulentes bem intencionados, pois a simples pergunta infantil atrairá também espíritos medíocres e infantis. Se queres respostas às suas dúvidas, formule perguntas que visem seu progresso e aprimoramento moral. Desta forma, atrairás espíritos amigos e interessados no teu progresso. Do contrário, estarás sujeito a ser enganado, por médiuns ou espíritos inescrupulosos.

Gentileza do Sr. Orson Peter Carrara - "Revista Internacional de Espiritismo" - "Casa Editora O Clarim".



Retornar à Página Inicial